Dormir pouco faz cair cabelo engorda? verdade ou mito?

Você passar até 5 dias dormindo pouco e/ou mal – menos do que cinco horas por noite – isso pode ser mais do que suficiente para fazer com que qualquer pessoa engorde cerca de até 1kg e também faz o cabelo cair (pasmem), isso foi concluído em um novo estudo feito pela Universidade do Colorado em Boulder, nos EUA.

queda de cabeloAinda segunda a mesma pesquisa, o indivíduo que passa mais horas acordado, embora gaste mais energia, acaba comendo muito mais do que precisa e/ou deveria, sendo assim, consome uma quantidade de calorias bem maior em relação à quantidade que gasta, em especial à noite, o que acaba provocando o aumento de peso. A má alimentação contribui muito para a queda de cabelo, e junto as noites mau dormidas. Porem para tratar a queda de cabelo, existe o programa de reconstrução capilar , que é totalmente natural e tem ajudado a milhares de pessoas tratarem a calvície.

A PESQUISA

Nome original: Impact of insufficient sleep on total daily energy expenditure, food intake, and weight gain

Responsáveis: Kenneth Wright, Rachel Markwalda, Mark Smitha, Janine Higginsd, Leigh Perreaultb, Robert H. Eckelb e Edward Melansonb.

Instituição: Universidade do Colorado em Boulder, EUA

“Cobaias”: 16 pessoas com uma média de até 24 anos tiveram queda de cabelo e engordaram acima do normal

Conclusão: Foi concluído que, dormir menos do que 5 horas (por noite), durante 5 dias, pode acarretar o ganho de peso, em até 1kg. Em comparação com pessoas que dormem até 9 horas por noite, quem possui um sono de somente 5 horas acaba gastando mais energia, porém, acaba consumindo mais calorias, em especial depois do jantar.

Estes resultados foram divulgados no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Segundo os criadores do artigo acima, vários estudos já relacionaram o hábito de dormir pouco a uma maior chance de se desenvolver obesidade, porém, poucos encontraram uma explicação para esta associação.

Esta pesquisa se iniciou quando a equipe escolheu 16 pessoas saudáveis com uma idade média de até 24 anos. Os participantes tinham um peso normal, com um IMC de, em média, 22,9.

Conheça os malefícios de dormir pouco

Diminui a capacidade de o corpo queimar calorias, e pode resultar em calvície 

Dormir pouco faz com que uma pessoa consuma mais calorias e, além disso, diminui a capacidade do corpo de queimá-las. Isso acontece porque dormir por pouco tempo eleva os níveis de grelina, o famoso ‘hormônio da fome’, conhecido desta forma por levar e/ou aumentar a sua vontade de comer, em sua corrente sanguínea. Se perceber que está engordando muito faça uso do detox inteligente, que é suco totalmente natural e ajuda no emagrecimento.

Aumenta o risco de se desenvolver o câncer de mama

Um estudo publicado em agosto no ano de 2012 no “Breast Cancer Research and Treatment” diz que dormir menos do que 6 horas diárias aumenta o risco de mulheres na pós-menopausa a desenvolverem um tipo mais agressivo de câncer de mama e uma chance bem maior de recorrência desta doença.

Eleva as chances de ocorrer um derrame cerebral

Dormir por menos de 6 horas diárias aumenta o risco de se obter AVC, até mesmo em indivíduos com um peso normal ou sem nenhum histórico de qualquer doença cardiovascular.

Você dorme bem?

 

Um bom sono é muito importante para manter bem longe os famosos “quilos a mais”.

Me responda com sinceridade, ok?

  • Como tem andado as suas noites de sono?
  • Você está dormindo muito em seu sofá enquanto assiste ao futebol?
  • Ou não tem conseguido dormido direito?
  • Está roncando demais durante à noite?

 

Então, tenha muito cuidado!

Um novo estudo feito pelo Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente – o IPOM – mostrou que 69% de todos os brasileiros dormem muito mal. Outro estudo bem revelador recente criado por alguns cientistas dos estados Unidos, testado com aproximadamente 9 mil pessoas, identificou que há uma relação direta da falta de sono, ganho de peso e a queda de cabelo .

Com este estudo, foi possível registrar e concluir que as pessoas que dormem menos do que 7h por noite, estes têm tendência de acumular gordura corporal e ter os foliculosos capilares mais fortes.

Segundo Sheila Diniz, especialista em distúrbios do sono, existe até mesmo (pasmem) mais de 90 (bem mais) distúrbios do sono registrados oficialmente. Ela ainda confirma que a apneia é uma das razões principais de distúrbios do sono.

Conclusão

Dormi pouco faz cair cabelo? engorda?. VERDADE OU MITO? – Verdade! Potanto cuide bem dos seus cabelos e sua forma física 

Se você gostou deste artigo, não se esqueça de comentar logo abaixo, sua opinião é muito importante para nós!

Não deixe também de compartilhar o que acabou de ler nas suas redes sociais com todos os seus amigos, e curtir nossa página no facebook!

Até o próximo artigo!

Diabete Tipo 2 – Motivos, e Tratamento

O diabete e o obesidade são as epidemias século XXI. Pode ser novidade para várias indivíduos que sofrem de diabete tipo 2, porém esta enfermidade é reversível. Supervisionar o que torna os indivíduos diabéticos é o primeiro passo para você supervisionar como evitar e alimentar o diabete tipo 2. A refeição é um dos elementos mais essenciais para o tratamento desta enfermidade. Neste texto vai obter uma explicação simplificada sobre o processamento e a correlação entre a insulina, o açúcar no sangue (glicose) e o progresso do diabete tipo 2.

 

Antes de iniciar o manifestar sobre a enfermidade é preciso dizer que há muita desinformação na biocenose alimentar, médica e farmacêutica sobre a disposição e tratamento do diabete tipo 2. Os grandes companhias de lavradio e fabricação alimentar não se com o bem-estar dos seus consumidores… Eles desejam realizar dinheiro. A indústria farmacêutica não trabalha visto que possui prazer em recuperar indivíduos. Se fosse dessa maneira os remédios seriam bastante mais baratos… As farmacêuticas vendem cada vez mais remédios (cada vez mais caros) e fazem cada vez mais dinheiro.

 

Sinais e Tratamento do Diabete Tipo 2A Anvisa no Brasil ou o Infarmed em Portugal vão atrás da FDA Americana e das lidas dos grandes farmacêuticas. Há uma inconformidade de lidas entre passar o ter dinheiro e recuperar indivíduos. A indústria alimentar produz itens de baixo esforço e com um tempo prolongado de armazenamento que são capazes de vender as preços elevados. A indústria farmacêutica subsidia uma biocenose médica que prescreve cada vez mais remédios – que várias vezes não são importantes e fazem indivíduos sentir com efeitos nocivos, tudo pelas grandes lucros.

 

Na atualidade o maior parte dos indivíduos prefere ingerir um medicamento todos os dias, ficando de convicção tranqüila por seguir as ordens do médico. Ingerir medicamentos é menos difícil que desviar os hábitos de vida prejudiciais, porém possui os seus efeitos nocivos. Ingerir medicamentos dia depois de dia atenua os sinais do diabete tipo 2, porém não trata o pleito da enfermidade. Embora disso há várias indivíduos que quere saber mais, visto que não se sentem bem com os remédios e vêm a sua situação a dificultar. Aqui você vai capacitar-se o alimentar o diabete e vai capacitar-se o deixar os remédios para o diabete, hipertensão e o colesterol alto.

A Diabete, os Carboidratos e a Insulina

 

Diabete Tipo 2 – Motivos, e Tratamento No momento em que você ingere alimentos, o corpo digere os 3 macro nutrientes: carboidratos, proteínas (vários aminoácidos distintos) e gorduras. Tudo o que não é digerível, como bebida alcoólica, fibras ou toxinas, passam pelo doméstico e vão de modo direto para o corrente sanguínea, na qual são filtrados pelo ânimo. Estes macro nutrientes são capazes de ser medidos em gramas e calorias, porém para o nosso corpo tudo funciona o nível de combustível. Se você ingere mais combustível que o seu corpo necessita – o que ocorre com a maior parte dos indivíduos – o nosso corpo é obrigado o estocar esse excesso. Existe no mercado um produto totalmente natural com o nome de vencendo a diabetes que está sendo usado por milhares de pessoas, essas pessoas reduziram muito o nível de açúcar no sangue. Esse tratamento pode ser encontrado em vários sites na internet, é um tratamento sem efeitos colaterais.

 

Estocar esse excesso calórico foi uma urgência evolucionária no passado do tipo humana, há 50.000 anos estávamos num estado citado de “festim ou de apetite”. O corpo humano aprendeu o sobreviver consumindo bastante num dia e passando apetite alguns dias. Pela urgência de duração, o ADN humano tornou-se uma profissional em armazenamento de força. Hoje estamos vivos visto que fomos capazes de sobreviver num local insultuoso e estes genes foram passados para você e para mim.

 

Qualquer tipo de carboidrato que você ingere vai ser neófito numa maneira simples de açúcar tragada de glicose. Dependendo do carboidrato, essa muda ocorre de modo direto ou após uma breve passagem pelo ânimo. Todo o pão, massa, macarrão, cereais, batatas, arroz, fruto, sobremesa, doce e refrigerantes que você come ou bebe vão ser transformados em glicose. Embora da glicose ser um combustível, ela é muito tóxica em quantidades excessivas. O corpo evoluiu de modo o eliminar a glicose excessiva do sangue com fugacidade para ser armazenada em outras células para um uso porvindouro.

 

O nosso corpo faz isto armazenando um do excesso de glicose nos músculos e no ânimo em maneira de glicogênio. Esse é o combustível muscular que é preciso para treinos anaeróbicos intensos. As células betas do ânimo são especializadas em encontrar a fartura de glicose no sangue após uma alimentação e segregam insulina, um peptídeo que permite a glicose (e as gorduras e os aminoácidos) o passar o ter admissão ao interior da robustez e das células do ânimo.

 

Isto é, os músculos estão cheios de glicose (armazenada em maneira de glicogênio) para usar como combustível para você se esquentar (vaguear, trabalhar, correr). O ânimo possui um retraimento de glicogênio (de 100(ORIGINAL)|100 (CEM)a 120 gramas) para no momento em que não é satisfatório o glicogênio armazenado nos músculos e no corrente sanguínea. No momento em que você se esforça queima primeiro o glicogênio armazenado nos músculos, e o glicogênio do sangue é passado para os músculos para reembolsar o roçado de combustível.

 

No momento em que a glicose no sangue está baixa o ânimo liberta a glicose para o sangue para ela ser transportada para os músculos e para os mais órgãos.

 

Porém existe um ponto fundamental: no momento em que essas células estiverem cheias (e nos indivíduos inativas estão constantemente cheias) o resto da glicose é transformada em gordura. Ou seja o que faz os indivíduos ganhar peso!

 

A glicose em excesso não é transformada em gordura maquinalmente. A glicose em excesso é bastante tóxica para o corpo: uma porção superior o uma colher de chá de açúcar diluída nos nossos 4 a 5 litros é tóxica. No momento em que as células beta do ânimo detectam glicose em excesso o pâncreas inicia o segregar insulina para o corrente sanguínea. O trabalho da insulina é estocar a força excessiva em maneira de glicose, transformando-a em gordura.

 

A insulina foi um dos primeiros hormônios o avançar no seres vivos. Aproximadamente todos as animais segregam insulina como um meio de estocar nutrientes em excesso. Isso faz todo a laicidade num mundo na qual havia pouco alimento, ou passamento de alimento ao longo períodos longos… O nosso corpo tornou-se incrivelmente efetivo. É sardônico que não é a gordura que é guardada como gordura – é o açúcar. É agora que a receptividade à insulina e a dificuldade do diabete tipo 2 encontra-se confusa para o maior parte dos indivíduos, inclusive os nossos governos.

 

Tendência Genética da Diabete Tipo 2?

 

Há 10.000 anos, os nosso pai tinham admissão exclusivo ao açúcar e o qualquer tipo de carboidrato. Havia qualquer fruto aqui e então, alguma bagas e raízes, porém o maior parte dos carboidratos estava em alimentos bastante fibrosos. Alguns antropologistas do paleolítico sugerem que os nosso pai consumiam em média somente 80 gramas de carboidratos por dia. Isto é bastante pouco, comparando com os 350 a 600 gramas de gramas por dia do regime atual dos países industrializados. O resto do regime paleolítico consistia em diversas gorduras e proteínas. Como os carboidratos complicados de obter eram fibrosos (e similarmente complexos), o seu resultado nos graus de insulina era mínimo. Havia tão poucos carboidratos e glicose nas dietas do nosso pai que evoluímos com quatro formas distintos de fazer glicose e somente um para eliminar o excesso que consumimos.

 

Na atualidade, no momento em que consumimos demasiados carboidratos, o pâncreas produz insulina tal como está programado em nosso ADN, porém se o ânimo e os músculos já estão cheios de glicogênio, essas células começam o ficar resistentes à insulina (visto que estamos constantemente com excesso de glicose e com cada vez mais insulina). Os receptores de insulina na superfície dessas células começam o coarctar em algarismo e em eficiência. O isto se chama “controlação decrescente” da receptividade à insulina.

 

Como a glicose não pode entrar na robustez ou nas células do ânimo, ela encontra-se na corrente sanguínea. Agora o pâncreas detecta que também há glicose em graus tóxicos, por causa disso também produz mais insulina e os receptores de insulina ficam também mais resistentes… Visto que um excesso de insulina similarmente é prejudicial! Possivelmente a insulina auxilia a glicose o obter o caminho para a fazenda graxo na qual é convertida em gordura. Como já disse, não é a gordura que é armazenada na fazenda cheia – é o açúcar.

 

Ao continuarmos com uma refeição com excesso de carboidratos e uma vida com pouco treino, o frio à insulina amplifica. Sem ingerir uma decisão dramática para diminuir o consumo de carboidratos e de reforçar o treino físico, desenvolvemos diversas complicações que apenas pioram com o tempo – e os remédios não resolvem a dificuldade.

 

Esse é o processamento que leva um indivíduo comum à resistência de insulina, à diabete tipo 1 e à diabete tipo 2:

 

Mais açúcar armazenado em gordura… e com maior rapidez. Como as células da robustez recebem pouco glicogênio (visto que são resistentes à insulina), e como a insulina inibe a lipaze, uma enzima de queima de gordura, torna-se também mais complicado queimar gordura e é bastante menos difícil ganhar peso. Você continua o ganhar peso até que possivelmente essas células adiposas se tornam resistentes.

O nível de insulina encontra-se mais viaduto visto que o pâncreas pensa “se um tanto não faz resultado, é preciso reforçar a dose.” Errado. A insulina em graus elevados é bastante tóxica para o corpo, causando a data de plaquetas nas artérias (a motivo pelo qual os diabéticos têm tantas doenças cardiológicas) e amplifica a propagação telefone celular dos cânceres.

Tal como a resistência à insulina impossibilita o açúcar de entrar nos músculos, similarmente impossibilita os aminoácidos de entrarem nos músculos e nos órgãos. Agora você não pode fazer ou preservar os seus músculos. Para dificultar as coisas, outras exigências do seu corpo pensam que não há açúcar satisfatório nas células, mandando vestígios para iniciar a canibalizar o seu tecido muscular para fazer mais – você acertou – açúcar! Você ganha mais gordura e perde robustez.

Os seus graus de força baixam, logo após você encontra-se com mais apetite de carboidratos e possui pouco desejo de realizar treino físico. Você encontra-se com desejos de consumir a pinga que o está a matar… Você encontra-se com grandes vontades de consumir!

No momento em que o seu ânimo encontra-se robusto à insulina, ele não pode persuadir o hormônio da tiróide T4 no o hormônio T3. Esta é a altura que aparecem complicações de tiróide misteriosos, que tornam o seu metabolismo também mais compassado.

Pode ficar com neuropatias (danos ao sistema nervoso) e ficar com dores nas extremidades, visto que o excesso de açúcar destrói fazenda nervoso. Pode similarmente reproduzir retinopatia e inicia o despossar a visão.

Possivelmente o pâncreas encontra-se tão derreado que não pode elaborar mais insulina e você acaba por ter de maçar insulina para sobreviver. É essencial muita insulina, visto que o corpo está robusto à insulina. Parabéns, você conseguiu graduar-se da Diabete Tipo 2, para a Diabete Tipo 1 e 2.

 

 

Além da refeição, o treino possui um grande valia em aumentar a receptividade à insulina e proteger-se ou metamorfosear o diabete tipo 2. Isso visto que os músculos queimam o glicogênio armazenado como combustível ao longo e após um treinamento. Os músculos que foram exercitados precisam desesperadamente de glicose e começam o realizar uma “controlação lúnula” aos receptores de insulina para estimular o processamento. Essa é o motivo pelo qual o treino físico é um executor tão fundamental para os diabéticos tipo 2 conseguirem restabelecer a receptividade à insulina. Similarmente é o motivo pelo qual as atletas de resistência podem consumir 400 ou 600 gramas de carboidratos por dia e não engordam – eles queimam tudo.

 

O treino físico de alta intensidade é tão permanente como atividades aeróbicas, porém o melhor é uma combinação dos 2. No momento em que você inicia o passar o ter a receptividade à insulina de volta, o corpo não exige insensato insulina para estocar o excesso de glicose, que produz uma “controlação lúnula” de todas as enzimas de queima de gordura. O resultado é que você queima a gordura armazenada o uma rapidez bastante maior na decorrer do dia. Os aminoácidos e mais nutrientes vitais têm admissão às células no momento em que a receptividade à insulina está alta, por causa disso você produz ou preserva o massa muscular e perde gordura ao inclusive tempo.